A França que os brasileiros não conhecem

quarta-feira, 17 de abril de 2013


Em dezembro do ano passado, postei uma matéria especial sobre a Les Légions Noires, que foi uma obscura cena francesa de Black Metal que existiu entre o final dos anos 80 e começo dos 90. Depois de publicar o artigo, fiquei impressionado com muitas pessoas que me falaram que nem imaginavam que existiam bandas de Metal na França. O que me fez ficar surpreso, pois é um país que tem excelentes bandas! 
Pensando nisso, o All That Metal apresenta hoje essa matéria especial com algumas das principais bandas francesas da atualidade. Pois é, o Metal na França vai muito além da Les Légions Noires. Na verdade, esse obscuro movimento do underground francês foi apenas o ponto de partida para muitas bandas que surgiram depois. Tentamos abranger bandas dos mais variados subgêneros possíveis, para mostrar que a França pode agradar a todos os gostos.
Fiquem então com a nossa lista de bandas francesas que você realmente deveria escutar.



Gojira


De todas as ótimas bandas francesas da atualidade, o Gojira é a que mais vem crescendo nos últimos anos. A banda deu início as suas atividades em 1996 sob o nome de Godzilla, lançou 4 demos e mudou para seu nome atual em 2001. Desde então, lançou 5 álbuns de estúdio que fizeram com que a banda ganhe cada vez mais visibilidade no cenário mundial. Seu vocalista/guitarrista, Joe Duplantier, participou também do primeiro álbum do Cavalera Conspiracy, "Inflikted", mas deixou a banda devido a seus compromissos com o Gojira. O álbum lançado pela banda em 2008, "The Way Of All Flesh", tornou a banda reconhecida mundialmente com sua ótima mistura de Groove, Death Metal e Progressivo. Foi o trabalho que possibilitou também uma turnê com Metallica e Lamb Of God pelos Estados Unidos, em 2009.
O mais recente trabalho do Gojira chama-se "L'Enfant Sauvage" e foi lançado ano passado, com ótima recepção da crítica e ainda mais dos fãs da banda. O trabalho apresenta uma ótima mistura entre peso e melodia, mas soando autêntico e longe dos clichês de outras bandas que tentam seguir o mesmo caminho.




Eths


Certamente, outra banda bem reconhecida além das fronteiras da França. O Eths foi formado em 1999 e faz um som com base no Groove Metal e Metalcore. Suas letras possuem trechos cantados em inglês e outros em francês, além do vocal de Candice Clot que chama a atenção do ouvinte desde o começo. A frontwoman consegue partir de momentos de pura serenidade com seu vocal limpo rumo a brutalidade extrema com seu drive/gutural. 
O Eths já tem ótimos trabalhos em seu currículo, como "Sôma" e "Tératologie". No ano passado lançaram um álbum chamado "III", um marco na evolução musical da banda. Mas quando tudo parecia correr muito bem, Candice deixa a banda devido a problemas pessoais. Para seu lugar, a banda recrutou Rachel Aspe, cantora que participou do programa France's Got Talent. Estamos no aguardo para saber se a banda vai conseguir manter o seu nível de qualidade e personalidade própria sem a presença de Candice. 




Anorexia Nervosa


Vou ser sincero com vocês, sou muito suspeito para falar dessa banda. Na minha singela opinião, o Anorexia é uma das melhores bandas que já existiu de Black Metal Sinfônico, se não a melhor. A banda surgiu no começo dos anos 90 sob o nome de Necromancia, passando a ser chamada Anorexia Nervosa somente em 1995. No começo de sua carreira, a banda ainda executava um som pouco lapidado e bem direto. Mas com a chegada do vocalista RMS Hreidmarr, em 1998, a banda evoluiu de forma absurda, o que pode ser notado no EP "Sodomizing The Archedangel", de 1999.
Com Hreidmarr nos vocais, a banda lançou três obras magníficas: "Drudenhaus" (2000), "New Obscurantis Order" (2001) e "Redemption Process" (2004). É complicado tentar definir o som do Anorexia Nervosa, suas músicas eram absurdamente caóticas e violentas, verdadeiras sinfonias em meio a muito peso. Todos os méritos disso vão para o tecladista Neb Xort, que também produzia os álbuns da banda. Mas, infelizmente, Hreidmarr saiu da banda em 2005 e desde então a banda não deu mais sinais de vida. Foi anunciado que um substituto seria chamado para ocupar seu lugar, o que nunca aconteceu. 
Uma curiosidade sobre a banda: em 2005 a banda já era um grande nome da cena européia e muito cultuada entre fãs de Metal Extremo na França. Duas adolescentes com 14 anos de idade, cometeram suicídio pulando de um edifício, em Paris. A última postagem de uma delas em seu blog foi justamente uma letra do Anorexia Nervosa, o que causou uma grande pressão da mídia sobre a banda na época. 




The CNK


The CNK é uma banda de Industrial que já teve um álbum de covers resenhado aqui no All That Metal. "Révisionnisme". Esse foi o trabalho mais recente lançado pela banda, que tem outros dois álbuns de estúdio. A banda começou, na verdade, tocando um Raw Black Metal sujo e agressivo sob o nome de Count Nosferatu, em meados dos anos 90. Em 2002, mudaram seu nome para The Count Nosferatu Kommando e lançaram "Ultraviolence Über Alles", um álbum de Industrial realmente bem pesado e com muitas influências de Black Metal Sinfônico. 
Seu vocalista foi citado na banda anterior desse artigo, Hreidmarr, que está presente desde antes de juntar-se ao Anorexia Nervosa. Com seu segundo álbum, "L’Hymne à la Joie", o som da banda ficou um pouco mais leve e com influências sinfônicas ainda mais notáveis. É um ótimo álbum, mas não chega aos pés do debut da banda. Um detalhe interessante é que a banda mudou de novo o seu nome no segundo trabalho, passando a chamar-se The Cosa Nostra Klub. Já o trabalho mais recente, o álbum de covers citado anteriormente, nos apresenta a banda apenas sob a legenda The CNK. 




Alcest


Enfim chegamos a primeira das três bandas que tem o que a França sabe fazer de melhor: Shoegaze! Mas quando eu digo Shoegaze, não estou falando sobre o gênero propriamente dito, bandas como My Bloody Valentine, mas sim da interessante mistura com sonoridades mais pesadas, algo que tem crescido muito nos últimos anos. O Alcest foi formado em 1999 com a proposta de tocar simplesmente Black Metal, mas com o tempo a banda evoluiu seu som para o que hoje em dia já vem sendo chamado de Post-Black Metal, que é a mistura do gênero com a levada mais sombria e tensa do Shoegaze. 
A banda é liderada por Neige (gravem esse nome!), que grava todos os instrumentos nos álbuns da banda, exceto pela bateria. O Alcest já lançou três ótimos álbuns, altamente recomendados para quem curte esse tipo de som mais melancólico e depressivo. Destaque especial para "Écailles de Lune", lançado em 2010, possivelmente a obra máxima da banda. 




Amesoeurs


O Amesoeurs foi outro projeto de Neige, só que com uma sonoridade infinitamente mais depressiva que o Alcest. A banda está bem longe do que o Alcest faz, mas ainda assim em alguns elementos há uma pequena semelhança. No geral, a música do Amesoeurs alterna entre alguns momentos mais obscuros com um peso arrastado e outros momentos mais rápidos e com um certo ar de "esperançoso". 
A banda foi formada em 2004, mas infelizmente lançou apenas um único álbum autointutalado, em 2009. Após a separação do grupo, alguns dos integrantes partiram para formar a próxima banda de nossa lista.




Les Discrets

O Les Discrets já passou por aqui quando eu fiz uma lista de álbuns lançados em 2012 que eram muito recomendados. Na verdade, o álbum mais recente da banda, "Ariettes Oubliees", ficou em terceiro lugar na minha lista de favoritos do ano passado. A banda surgiu para dar continuidade ao que Amesoeurs começou. O som da banda é bem mais experimental, muito mais próximo do Shoegaze puro, mas ainda assim com uma pegada de Post-Metal. Os franceses já lançaram 2 álbuns em seu curto período de existência. 
Mais uma vez, Neige se faz presente tocando baixo nas apresentações ao vivo da banda, ao lado de seus ex-companheiros Fursy Teyssier (vocal/guitarra) e Winterhalter (bateria). Outro detalhe interessante sobre a banda é o fato dela ir um pouco além de sua música. Na página oficial do Les Discrets no Facebook, podemos encontrar também algumas pinturas de Fursy, fazendo com que a banda seja também um veículo de produção artística além dos rótulos impostos em sua música. 




Black Rain


Saindo um pouco da deprê do Shoegaze e do Post-Metal, temos o Black Rain. A banda surgiu em 2003 com um som mais próximo do Speed/Power, mas gradativamente foi levando seu som para o Sleaze/Glam Rock. É gritante a inspiração da banda em WASP, só não posso afirmar se isso é algo intencional ou não, mas já notei várias semelhanças entre ambos.
A banda já lançou 3 álbuns de estúdio, sendo um deles realmente interessante, "License To Thrill", de 2008. Seu lançamento mais recente chama-se "Lethal Dose of...", mas fiquei realmente decepcionado com o álbum, não chega nem perto de seu sucessor. Seu vocalista/guitarrista, Swan, recentemente participou do álbum de covers do The CNK, cantando "Too Fast For Love", do Motley Crue, junto a banda. A banda também participou do France's Got Talent, expondo sua música para o país inteiro e surpreendendo muita gente que estava na audiência. 




Misanthrope


O Misanthrope já é uma banda bem antiga, na verdade, formada em 1988. A banda faz uma ótima mistura de Melodic Death Metal aos moldes antigos com influências de Prog. Seu novo álbum foi lançado em janeiro desse ano, "Ænigma Mystica", mantendo o alto nível de qualidade de suas composições. É uma banda que já tem uma certa tradição na França. 
Em 2008, lançaram sua obra máxima, "IrremeDIABLE", um álbum conceitual sobre a vida do poeta Charles Baudelaire. Para quem curte essa mistura de peso e melodia na medida certa e tem interesse em conhecer mais bandas francesas, esse álbum é obrigatório!





Peste Noire


Banda formada no ano 2000 sob o nome de Dor Daedeloth. Em 2001, mudou seu nome para Peste Noire e lançou seu debut em 2006, com o título de "La Sanie des Siècles - Panégyrique de la Dégénérescence". Aqui o papo é bem direto: Black Metal puro e da melhor qualidade possível. Suas letras são inspiradas em poesia e nacionalismo francês. 
Em seu mais recente lançamento, "L'Ordure à l'état Pur" de 2011, a banda pode-se dar ao luxo de experimentar algumas coisas novas, como batidas eletrônicas, por exemplo. Ainda assim, seus principais elementos, que é soar direto e cru, ainda estão lá. Impossível não destacar o vocal doentio de La Sale Famine de Valfunde (é isso mesmo, o sujeito atende por esse nome segundo os créditos dos álbuns). A banda ainda conta com uma mulher em seu line-up atual, Audrey Sylvain (vocal/teclados), que atende pelo singelo pseudônimo de Sainte Audrey-Yolande de la Molteverge. 




Penumbra


Quem conhece a banda já deveria estar perguntando-se por qual motivo eles estavam de fora. Decidi encerrar o artigo em grande estilo, com essa excelente banda de Gothic Metal. O Penumbra foi uma banda formada em 1996, por Jarlaath (vocal e oboe) e Dorian (guitarra) e passou por inúmeras mudanças de formação ao longo de seus 13 anos de existência. A banda já passou por tantas mudanças de formação, que já teve até mesmo duas sopranos e um barítono em determinada época.
O terceiro álbum de estúdio da banda, "Seclusion", foi lançado em 2003 e tornou-se um marco do gênero. Certamente, um dos álbuns que melhor representa o Gothic Metal do fim dos anos 90 e começo da década passada, ao lado de outros petardos como "Beyond The Veil" (Tristania, 1999) e "Perpetual Desolation" (The Sins Of Thy Beloved, 2000). Infelizmente, a banda encerrou suas atividades em 2009, sem explicar o real motivo desse triste fim. Uma pena, pois é uma banda que poderia ter um futuro brilhante pela frente. 


Nenhum comentário:

Postar um comentário