Último programa do ano e planos para 2014

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013


E lá se vai o ano de 2013 no All That Metal. Um ano de muitas mudanças, muitas conquistas e constante crescimento profissional para todos os envolvidos no blog. Para encerrar nossas atividades em 2013 estamos disponibilizando o último programa do ano, apresentado na quinta-feira passada, dia 19 de dezembro. No programa tivemos:
  • Um debate sobre as obras de Tolkien e um bloco especial com bandas influenciadas pelo seu trabalho;
  • Homenagem a Chuck Schuldiner, rolando vários clássicos do Death no programa;
  • E, é claro, a presença dos nossos convidados especiais da ARMADA SA. Apresentamos, com total exclusividade, uma nova faixa da banda, chamada "Fast & Loud". Além disso, batemos um longo papo sobre a história da banda e vários outros assuntos, uma das entrevistas mais divertidas que já fizemos no programa!
CLIQUE AQUI para escutar o programa.

Quanto ao sorteio que pretendíamos fazer no programa, decidimos adiá-lo para incluir MUITO mais material para o ganhador! Em breve anunciaremos mais detalhes sobre como participar, o que podemos afirmar é que o prêmio será um pacotão com vários CD's... e quando digo vários, são muitos CD's mesmo!

Em tempo:
  1. Deixem seu natal mais pesado com o post que fizemos ano passado: CLIQUE AQUI!
  2. Estamos preparando nossas listas de melhores ano para ser publicada em janeiro!
E o que vai ter no All That Metal em 2014?
  • Infelizmente tivemos o azar de perder duas quintas-feiras no recesso na rádio, então voltaremos apenas no dia 9 de janeiro. Mas, para compensar as duas semanas folga, voltaremos com a maior atração que esse programa já teve. Uma banda que tocou no Rock In Rio e abriu para o Black Sabbath estará nos estúdios da Rádio Putzgrila. Isso mesmo, vamos ter o HIBRIA conosco no dia 9 de janeiro! Em breve lançaremos a tradicional imagem de divulgação com todos os detalhes sobre o que vai rolar no programa. 
  • Se em 2013 nós perturbamos muita gente falando sobre tudo que existe de mais incômodo na nossa cena, pode ter certeza que no ano que vem vamos dar continuidade a esse trabalho. Tivemos o polêmico Ca$h 4 Gig, onde apontamos a exploração das produtoras que cobram valores absurdos das bandas para abrir grandes shows. Pensando em explorar melhor esse e outros assuntos, estamos organizando um programa especial com a participação de grandes nomes da imprensa especializada para um debate sobre tudo que está errado e pode melhorar no underground. 
  • Por fim, gostaria de informá-los de que existem planos (vejam bem, PLANOS) de organizar um All That Metal Festival no ano que vem. O projeto ainda está em fase embrionária e nos próximos meses estaremos buscando patrocínios e um local para a realização do evento. Mais detalhes serão revelados em breve. 
Por fim, fica registrado nosso agradecimento a todos que de uma forma ou de outra colaboraram conosco ao longo de 2013. Para citar todos precisaríamos fazer uma lista gigante, portanto não seremos capazes de mencionar todo mundo. Obviamente, existem pessoas que não podemos deixar de lembrar, como o pessoal da Rádio Putzgrila que abriu o espaço para fazermos o programa, assim como o Lucas Queiroz e a Paola Rebelo que decidiram embarcar comigo nessa empreitada. Agradecemos todos os colaboradores que contribuíram com o blog ao longo do ano, em especial ao Paulo Momento, Caio Botrel, Paula Diamond, Adriano Pasini, Delmar Borba e, especialmente, a Ana Rauber que pode até mesmo juntar-se a nós no estúdio putzgrílico ano que vem. 

Agradecemos também a todos que apoiam o programa, as bandas que passaram por aqui, produtoras com a qual mantemos ótimas relações e assessorias de imprensa. E nosso agradecimento é ainda maior para você, que acessou o blog, que escuta o programa, acompanha nosso trabalho, que vem trocar uma ideia conosco nos shows que estamos cobrindo, enfim, todos os leitores/ouvintes do All That Metal! É por vocês que fazemos isso ainda e somos eternamente gratos por nos proporcionarem o reconhecimento que temos hoje em dia. 

Nos vemos em 2014!

Arkona em Porto Alegre: vídeo exclusivo do All That Metal

sábado, 21 de dezembro de 2013


Como é do conhecimento geral, o Arkona realizou uma apresentação no Beco203, em Porto Alegre, no último dia 2 de dezembro. Publicamos um review com uma galeria de fotos que você pode conferir clicando aqui. E, conforme o prometido em nossa fanpage, agora trazemos um vídeo com cenas exclusivas. Temos alguns momentos dos shows, depoimentos dos fãs e registramos até mesmo o momento do wall of death. 

Até o momento, só quem escreveu sobre o show foi a Paola ao escrever seu review, mas também gostaria de compartilhar minhas palavras. Sai realmente surpreso do Beco naquela noite, já era fã da banda e passei a curtir ainda mais depois do show. Inclusive, já estamos preparando nossas listas de melhores do ano e fiz questão de incluir o Arkona entre os melhores shows que pude assistir esse ano. Tudo que passou pela minha cabeça durante o solo de gaita de fole de Vladimir "Wolf" Reshetnikov é o quanto amo esse gênero musical, o único no mundo onde um solo do gênero gera um circle pit na pista. Fechamos com chave de ouro as coberturas de shows do ATM em 2013.

Sem mais delongas, fiquem com o nosso mini-documentário desenvolvido em parceria com a Rádio Putzgrila e a Abstratti Produtora. 

CA$H 4 GIG, é você que financia essa merda!

terça-feira, 3 de dezembro de 2013


Um aviso: este post pode ser ofensivo e não é destinado aos Undergrounds de Facebook, portanto, se tu acreditas que Krisiun é a única banda de qualidade de metal no Rio Grande do Sul, passa boa parte do tempo procurando a banda mais desconhecida de Death Metal do Casaquistão para compartilhar o link do Youtube no seu Facebook e acredita que um colete repleto de patches e algumas fotos com uma coleção de álbuns fazem de você um verdadeiro headbanguer, feche agora este post e volte para a Encyclopaedia Metallum procurar bandas longes do seu país para venerar.

Recentemente o All That Metal lançou uma campanha irônica, a CA$H 4 GIG, uma forma para incentivar vocês, fãs de metal, a pagarem para as suas bandas preferidas locais serem as bandas de abertura de shows internacionais. O por quê?
Talvez nem todos saibam, mas se instaurou na capital (e talvez somente na capital por, mesmo não sendo a única, ser uma das poucas cidades gaúchas a receberem shows internacionais) uma política entre as produtoras locais de selecionar a banda de abertura de acordo com vínculo financeiro emocional da mesma com a banda de fora. Isto porque, o valor cobrado pelas produtoras para que determinado grupo “abra”, na maioria das vezes passa dos mil reais.
Convenhamos que ter uma banda não é barato: instrumentos (sem contar a reposição de cordas, baquetas, palhetas, peles e etc), estúdio de ensaio, locomoção, produção e muitos outros gastos.
O que antes era um motivo de orgulho para a banda e seus fãs, de poderem abrir para um show gringo e ganhar visibilidade em virtude de sua qualidade, hoje se tornou apenas mais um filtro que separa bandas com condições financeiras de pagar pelo seu “reconhecimento” das que lutam para sobreviver no cenário independente. Em resumo, nós somos contra o valor cobrado pelas produtoras de Porto Alegre de bandas independentes para que essas façam o show de abertura de bandas de fora (e até mesmo algumas bandas nacionais mais conhecidas).

Na verdade, o nosso intuito com a CA$H 4 GIG era apenas chamar atenção para o que está acontecendo, até porque ela não foi planejada e nem mesmo é uma campanha de fato. Porém, por mais sarcásticos que tenhamos sido ao falar sobre isso em um post inocente no Facebook, nós fomos supostamente censurados.
O cartaz da Campanha em questão foi compartilhado na nossa página do Facebook e fazia referência ao assunto que seria tratado no programa que vai ao ar pela Rádio Putz Grila. Após ele “sumir”, o Tiago Alano o compartilhou na página pessoal e se mantém lá até hoje.


O programa na íntegra pode ser ouvido clicando aqui.

Tentamos compreender o lado de quem pratica essa cobrança, mas ficou ainda mais complicado quando o Lucas Queiroz procurou determinada produtora e o máximo de resposta que obteve foi uma visualização na caixa de mensagem do Facebook (mas deixamos o espaço aqui aberto caso algum produtor queira se manifestar).

Falo por experiência própria: não é fácil e muito menos barato organizar um festival. Já organizei alguns na minha vida, nunca recebi reclamações de quem compareceu, mas um dos fatores que me fez desistir disso (além dos prejuízos que levei) foi o fato de não ter tempo hábil para conseguir patrocinadores e ajudar as bandas que tocavam no meu evento como eu queria. Fazia a coisa realmente por amor a camiseta preta, porque a única recompensa que obtive nas tentativas de fazer algo para contribuir com a cena no interior do estado foram alguns saldos negativos na conta e os inúmeros amigos que fiz nestes anos.

Compreendemos também que, se elas praticam isso, é porque há músicos que pagam. É claro que grande parte das bandas que fazem isso são de extrema qualidade e não tiramos o mérito disto, mas é necessário reconhecer que essa atitude prejudica (e muito!) as demais bandas, além de colaborar para que casos assim continuem acontecendo. É inviável que pagando valores exorbitantes para tocar uma banda consiga sobreviver de música, até porque hoje, nos tempos de download rápido, é em shows que músicos tiram seu sustento, visto que a venda de mídias é a cada ano menor.

Mas se a “culpa” é das produtoras e dos músicos e se ambos estão satisfeitos assim, por que nós estamos falando sobre isso?
Acreditem, quem trabalha com a imprensa no underground não recebe nada além de algumas entradas gratuitas para shows. Ainda assim, estamos sempre preocupados em anotar tudo, fotografar e dar atenção aos detalhes para então exercermos nosso ofício. Portanto, mesmo que não seja da nossa alçada mudar algo neste contexto, é inevitável que para nós (alguns músicos, outros apenas ouvintes) do All That Metal isso tudo não represente uma cena lamentável e triste. Todas as nossas ações, que vão desde investir em equipamento até procurar parcerias em outros meios de comunicação é com o intuito de ajudar a cena independente e contribuir da nossa forma com as bandas que nós apoiamos. É por isso que, na tentativa de mudar essa situação, estamos aqui apresentando os fatos àqueles que ainda realmente podem mudar isso: o público!

Quer apoiar a cena? Vá em shows, pague pelos ingressos, mostre que realmente tem interesse em ver as bandas que são daqui e principalmente, CONHEÇA as bandas do seu estado! Neste ano, inúmeras bandas gaúchas lançaram trabalhos que não perdem em nada de qualidade para bandas gringas, é o caso do álbum Die in Hands of Believers (banda Hate Handles), Killing the image of your god (Dyingbreed) e A New Beginning (Prophajnt) todos já mencionados em posts passados do All That Metal. "We thrive on what's stronger than most of the world!"

Review de show: Arkona (Beco203, Porto Alegre, 02/12/2013)


Texto: Paola Rebelo
Fotos: Tiago Alano e Paola Rebelo

Na noite de ontem (2/12), Porto Alegre recebeu pela segunda vez um dos maiores expoentes do folk/pagan metal internacional. O grupo russo Arkona se apresentou no Beco 203, em um evento organizado pela Abstratti Produtora. O show havia sido originalmente marcado para a quinta-feira, porém teve de ser adiado devido a complicações da viagem do Chile ao Brasil.

As portas da casa se abriram dez minutos antes das 21h, o horário marcado, porém a banda só subiu ao palco cerca de meia hora depois, após a introdução instrumental "Az'". A teatralidade da banda se mostrou presente em todos elementos do espetáculo que haviam preparado para aquela noite, desde o figurino medievalesco e os instrumentos folclóricos até a exótica interpretação que a vocalista Masha "Scream" Archipova depositava nas canções.

A música escolhida para abrir o espetáculo foi "Arkaim", do último álbum de estúdio do grupo, Slovo (2011). Desde o início do show, todos os membros do Arkona demonstraram grande energia e entusiasmo, e souberam proporcionar os momentos melodiosos, brutais e de interação com a plateia sem jamais sair dos papéis que eles criaram para a temática proposta. Os russos provaram para a capital gaúcha que, muito mais do que boas músicas, o profissionalismo de uma banda caminha lado a lado com o modo como ela se porta perante seus fãs.


O show seguiu com "Ot Serdtsa k Nebu" e "Goi, Rode, Goi!" cujo idioma, assim como a maior parte das músicas tocadas durante a noite, não impediu que o público cantasse junto com Masha os refrões. Durante todo o show, o fato de a banda não saber falar inglês não a impediu de incitar os metaleiros que enchiam o Beco 203 a pularem e cantarem mais alto, em russo, inglês e até mesmo português.

Após as faixas "Zakliatie" e "Pamiat", respectivamente pertencentes aos álbuns Slovo (2011) e Goi, Rode, Goi! (2009), a vocalista anunciou que a próxima se tratava de uma música fria, que nada mais era do que a canção homônima ao nome da banda, cujo significado remete ao último castelo-cidade pagão dos povos eslavos. Uma das coisas que mais chama atenção no Arkona é o fato de todos os seus integrantes serem multi-instrumentistas. Além dos vocais limpos e guturais, Masha ajudou na percussão de algumas músicas, enquanto Sergey "Lasar" assumiu as guitarras e a balalaica e o baixista Ruslan "Kniaz" também tomou o papel de flautista. Vladimir "Artist" Sokolov, por sua vez, se restringiu as suas baquetas.

No entanto, depois da performance das canções "Slav'sja, Rus'!" e "Kolo Navi", quem conseguiu roubar a cena foi ninguém menos do que Vladimir "Volk" Reshetnikov. O responsável pelos instrumentos de sopro étnicos chamou a atenção do público com seu incrível solo de gaita de fole que, sem qualquer auxílio de guitarras ou distorções, pertencia legitimamente a um show de metal. A maior prova disso foi ver o primeiro mosh pit da noite se formar durante o solo de Vladimir.


Um dos momentos que marcaram a noite foi quando a incansável e feroz Masha começou a incentivar os fãs a formarem um wall of death no meio do limitado espaço do local do show. O engraçado é que ele acabou se formando em um dos momentos mais leves do show, em que o peso do metal era abrandado pela essência folclórica dos instrumentos étnicos e a banda pulava uma dança estranha e alegre no palco enquanto assistia seus fãs se jogando uns nos outros em frente ao palco.

O show continuou com "Maslenitsa", "Po Syroi Zemle", "Stenka na Stenku" e, finalmente se encerrou com "Yarilo", um dos maiores sucessos de Arkona, e "Kupala i Kostroma". Sem bis, a banda deixou o palco por volta das 22h30. Apesar de o show ter sido bastante curto, com apenas 14 músicas, os fãs de folk metal do Rio Grande do Sul tiveram uma noite memorável. A remarcação da data do show, o atraso e o tempo que ele durou nada significou para os fãs de Arkona, que deixaram o beco exaustos e satisfeitos.

Confira a galeria de imagens exclusivas do All That Metal/Rádio Putzgrila: